SERRA PENEDA [Trilho Caminhos Pão, Caminhos Fé]

Este trilho, ou melhor estes dois trilhos se assim quisermos, seguem antigos caminhos de acesso aos campos em volta da vila do Soajo e de romagem de peregrinos para os vários destinos religiosos a norte: Sra. Peneda, S. Bento Cando, Santiago Compostela….

Se unirmos os dois percursos temos uma volta em oito com cerca de 10.3 quilómetros. Se os fizermos separados temos um percurso longo com 5.4 kms e um curto com 4.9 kms. De uma forma geral os trilhos (em 2019) estava bem marcado sendo que a partes que levantam mais dúvidas são logo à volta do Soajo

De qualquer forma acho que vale a pena juntar os dois (a distância não é nada de especial e o desnível também não) aproveitando o interesse do conjunto.

Sugiro iniciar pelo percurso longo subindo o caminho central até à zona mais alta (e que depois segue para a Sra. da Peneda) descendo depois pelos caminhos por onde também se encontra marcado o GR 50 que atravessa o parque. Um pouco mais a baixo entramos a estrada, que liga o Soajo às aldeias mais altas da serra, para logo a seguir nos desviarmos para o interior da vila novamente através de antigos caminhos. Ao longo de todo o percurso encontramos muitos antigos abrigos de pastores que nos mostram que as distâncias eram vistas de forma muito diferente de hoje em dia.

Ao chegarmos ao Soajo voltamos a retomar o mesmo início da subida do percurso anterior até encontrarmos o primeiro desvio à direita. Este início (percurso curto) é mais suave e com menos inclinação.

Este percurso é também muito diferente (até agora!) em termos de cobertura vegetal. Com muito mais arvores é mais agradável para os dias de sol. Também existe uma cascata onde vale a pena perder algum tempo durante o período em que a água permite uns banhos.

O percurso segue agora até à parte superior, onde encontramos algumas casas, para descer agora pela parte do caminho que subimos no primeiro percurso até à vila do Soajo.

Carta militar nº 17


Descrição GPS Folheto

 

SERRA AMARELA [Trilho Penedo Encanto]

Apesar de ser um trilho próximo de vários acessos este trilho estava, em Março de 2019, com a sinalização bastante degradada e com vários locais onde ela nem sequer existe. Se juntarmos isso a que ela, em vários locais, partilha ou cruza com o “Trilho dos Moinhos de Parada” a situação ainda fica mais confusa.

Não se percebe bem o porquê terem marcado dois trilhos num espaço tão concentrado, e onde um único seria mais lógico e simples. Para quem só segue as marcas, e não olha para o percurso marcado num mapa, não será difícil seguir o percurso errado. Pelo menos neste momento e no estado em estão neste momento as marcações.

O trilho inicia na estrada nacional N304-1, junto à saída da povoação de Parada na direcção do Lindoso.

Aqui subimos uma pequena rampa e entramos na povoação e chegamos aos antigos edifícios da prisão, Paços do Concelho e Tribunal do Lindoso que ficavam situados em Parada.

Seguimos as estreitas ruas para sair da povoação tendo atenção com os sinais a seguir. O caminho começa a subir, passa o evidente cruzamento com o “Trilho dos Moinhos de Parada” e segue em direcção à serra.

Aqui os caminhos ainda mantém os bosques que os envolvem e os tornam verdes e frescos. Perto da zona mais alta encontramos o conjunto de oito blocos com gravuras rupestre da idade do bronze dos quais se destaca a que dá nome ao percurso.

Seguimos mais umas centenas de metros para passar uma zona, que com nevoeiro poderá se mais complicada de seguir, e iniciar a descida para Parada.

Voltamos a entrar na povoação pelo cruzamento mencionado anteriormente mas agora seguimos em frente até alcançarmos novamente a rampa por onde iniciamos.

Carta militar nº 17


Descrição GPS Folheto

 

SERRA AMARELA [Trilho Moinhos de Parada]

Apesar de ser um trilho próximo de vários acessos este trilho estava, em Março de 2019, com a sinalização bastante degradada e com vários locais onde ela não existe sequer. Se juntarmos isso à questão que em vários locais ela partilha ou cruza com o “Trilho do Penedo do Encanto” a situação ainda fica mais confusa. Não se percebe bem o porquê de se terem marcado dois trilhos num espaço tão concentrado e onde um seria mais logico e simples. Para quem só segue as marcas e não olha para o percurso marcado num mapa não será difícil seguir o percurso errado. Pelo menos neste momento, e no estado, em estão as marcações.

O trilho inicia na estrada nacional N304-1 junto à saída da povoação de Parada na direcção do Lindoso. Daqui seguimos uns metros pela estrada, no sentido contrário do Lindoso, para virar à direita por um caminho que parece o acesso a uma casa. Passamos por um portão e viramos logo à esquerda antes de chegarmos à casa.

Este caminho inicialmente desce bastante para logo a seguir praticamente se manter horizontal na encosta. Depois de seguir durante um tempo o rio Lima e de passar o alto do Chão da Cabeça, o caminho desce para cruzar o rio da Ponte, onde passamos junto a um conjunto de moinhos abandonados. Subimos novamente à estrada nacional através de um largo estradão passando por uma vergonhosa lixeira a céu aberto onde tudo é despejado para as encostas da linha de água.

Na estrada nacional seguimos cerca de 700 metros em direcção ao Lindoso para nos desviarmos para um caminho rural junto a uma curva larga da estrada. O caminho segue por uma ponte antiga com uma das pontes da estrada por cima. Aqui podemos observar a falta de cuidado no enquadramento do novo com o existente. Um enorme pilar da ponte nova plantado no meio do ribeiro e a uns centímetros da ponte antiga…

O caminho segue novamente até estrada e aqui, contrariamente à marca existente do lado contrário da mesma, seguimos até à curva pela estrada antiga para visitarmos um moinho recuperado e visitarmos o Poço da Gola, uma interessante queda de água logo acima.

Voltamos à curva da estrada antiga para seguir o caminho rural que acompanha o rio e sobe até à uma zona alta de Codeceiras. Atravessamos toda esta área para começar a descer para a povoação de Parada.

Cruzamos com o Trilho do Penedo do Encontro e continuamos a descer. Passamos pelo interior da povoação e perto dos antigos edifícios de Justiça do Lindoso (que vale a pesa fazer o desvio para visitar). Um pouco mais à frente encontramos novamente a placa de início do percurso.

Carta militar nº 17


Descrição GPS Folheto

 

SERRA GERÊS [PR7 Trilho S.Bento]

Este trilho, que já esteve marcado com outro percurso, percorre as encostas sobranceiras aos edifícios de S. Bento da Porta Aberta. O trilho inicia um pouco acima da zona central, frente ao restaurante Mira Serra, sendo que em Abril 2019, altura em que o percorremos, não existia qualquer placa que marque o seu inicio. O trilho estava relativamente bem marcado com algumas falhas pontuais onde é preciso ter atenção, mas nada de gritante. Um de esses sítios é o início da descida depois de alcançarmos o ponto mais alto do trilho, no cimo do Monte de Parada.

SERRA GERÊS [Trilho das Silhas dos Ursos]

Este pequeno percurso leva-nos a conhecer as silhas, locais de protecção dos cortiços das abelhas dos predadores existentes nessa altura: os ursos.

Este locais foram construídos séculos XV / XVII pelos habitantes locais.

O percurso tem umas excelentes vistas para o vale de Caldas do Gerês e para a serra do Gerês propriamente dita.