FRAGAS DA ERMIDA [via mirabilia regnum]

Localizada nas fragas que caem desde o cimo da serra do Marão esta via foi aberta em Agosto de 2012 por Rui Duarte.

Apesar de existir o conhecimento que outras vias já foram abertas nesta parede, esta foi a que acabou por ser mais divulgada, ficando as outras perdidas no tempo e na pouca divulgação.

REDINHA [Zona de escalada Sra.da Estrela]

Redinha, ou Sra da Estrela como também é conhecida, é talvez uma das mais antigas zonas de escalada no centro de Portugal. Situada a meio caminho entre o Porto e Lisboa goza de uma localização privilegiada como um miradouro virado para o mar. As vias variam entre os 7 e os 20 metros e encontram-se espalhadas por uma franja de rocha com cerca de 400 metros de cumprimento. As vias variam entre o IIIº e o 8ª grau, sendo notoriamente uma zona de iniciação à escalada face ao numero de vias acessíveis.

LOS ARGAOS [aresta los argaos]

A aresta de Los Argaos é a primeira linha de de cumes afiados que encontramos logo por cima do refugio de Vegarredonda e um dos percursos deste género mais clássicos dos Picos da Europa. Relativamente simples, e com várias hipóteses de fuga na parte inicial, é um percurso ideal para uma actividade “rápida” mas com grandes sensações.

Acesso – Depois de alcançarmos o refúgio de Vegarredonda, seguimos para a Llampa Cimera por cima do refúgio antigo, até alcançar o desvio para o Collado La Fragua e para o Porru Bolu. Seguimos para o primeiro onde encontraremos o início desta via.

NEDIA [Via Fissura Oculta]

Esta via poderá ser outra forma de escalarmos a parte de baixo da Nedia e de ligarmos com outra da parte superior. O início é à direita da via “Narizes” e sobe um pequeno esporão de blocos, no cimo do qual se monta a primeira reunião, para alcançar uma fissura que praticamente não se vê de baixo e daí o nome da via. Em seguida faz-se um lance onde é muito difícil colocar qualquer protecção para atingir o patamar intermédio com um lance fácil.

Para além desta via e da “Narizes” foram abertas várias outras vias como a Erea, Luso-Francesa, a via dos Morcegos ou a

NEDIA [Via Narizes]

Esta parede deverá ser a maior parede de Portugal. Apesar de não ser contínua, tem uma plataforma a meio que liga as duas zonas da parede, os seus cerca de 500 metros de comprimento, a aproximação não muito fácil, e especialmente a sua longa descida, fazem com que seja uma escalada algo comprometida.

Talvez a pior parte da escalada desta parede seja precisamente a aproximação. A saída é da aldeia de Tibo. Desce até ao rio e depois de passar o rio temos que ir subindo em direcção à parede tentado fazer a pelas zonas com menos mato possível. A pior zona é próximo da parede onde as árvores e o mato mais alto não deixa ver o local exacto para onde queremos ir.