LOS ARGAOS [aresta los argaos]

A aresta de Los Argaos é a primeira linha de de cumes afiados que encontramos logo por cima do refugio de Vegarredonda e um dos percursos deste género mais clássicos dos Picos da Europa. Relativamente simples, e com várias hipóteses de fuga na parte inicial, é um percurso ideal para uma actividade “rápida” mas com grandes sensações.

Acesso – Depois de alcançarmos o refúgio de Vegarredonda, seguimos para a Llampa Cimera por cima do refúgio antigo, até alcançar o desvio para o Collado La Fragua e para o Porru Bolu. Seguimos para o primeiro onde encontraremos o início desta via.

NEDIA [Via Fissura Oculta]

Esta via poderá ser outra forma de escalarmos a parte de baixo da Nedia e de ligarmos com outra da parte superior. O início é à direita da via “Narizes” e sobe um pequeno esporão de blocos, no cimo do qual se monta a primeira reunião, para alcançar uma fissura que praticamente não se vê de baixo e daí o nome da via. Em seguida faz-se um lance onde é muito difícil colocar qualquer protecção para atingir o patamar intermédio com um lance fácil.

Para além desta via e da “Narizes” foram abertas várias outras vias como a Erea, Luso-Francesa, a via dos Morcegos ou a

NEDIA [Via Narizes]

Esta parede deverá ser a maior parede de Portugal. Apesar de não ser contínua, tem uma plataforma a meio que liga as duas zonas da parede, os seus cerca de 500 metros de comprimento, a aproximação não muito fácil, e especialmente a sua longa descida, fazem com que seja uma escalada algo comprometida.

Talvez a pior parte da escalada desta parede seja precisamente a aproximação. A saída é da aldeia de Tibo. Desce até ao rio e depois de passar o rio temos que ir subindo em direcção à parede tentado fazer a pelas zonas com menos mato possível. A pior zona é próximo da parede onde as árvores e o mato mais alto não deixa ver o local exacto para onde queremos ir.

Picos da Europa [Agulha de Bustamante – Via normal]

A agulha de Bustamante foi a primeira via que escalei no Picos da Europa, durante a primeira vez que viajei até lá no longínquo ano de 1989. O meu cordada era o David Moutinho e estávamos no inicio de quinze dias de escalada. Tal como na altura acho que é uma boa via para ver como é a escalada nos picos: aérea, vertical e quase sempre com uma vista óptima.

A agulha situa-se na grande muralha que vai entre a Torre dos Horcados Rojos e os Picos de Sta. Ana.

Picos da Europa [naranjo de bulnes – via cepeda]

A via Cepeda é de certeza a via de escalada mais clássica da face este. Os três primeiros lances (max.IV) são comuns com a via Schulze até alcançar o cimo do enorme bloco de rocha em forma a de Y. Daqui seguimos pelos que poderão ser os lances mais bonitos da via. Depois de passar por uma zona de placa e encontramos um diedro sobre a esquerda no cimo dos quais encontramos uma grande terraça (dois lances max. V). Seguimos com tendência para esquerda sobre outra terraça. No cimo da segunda encontramos um nicho e, seguindo uns diedros, subimos até encontrar um sub-prumo que parece bloquear a continuação (três lances max. IV).