MEADINHA [vias escaleras cielo+ Outsiders+ Queles+ Roy+ Meadinha+ S]

A fraga da Meadinha deverá ser a parede de Portugal mais emblemática em termos de escalada clássica. Só quem alguma vez escalou nesta parede pode entender a magia que a circunda. Situada na Serra da Peneda, em pleno parque Peneda Gerês, a quase totalidade das suas vias foram abertas por escaladores Galegos que em 1972 abriram a primeira via. A maior proximidade e rapidez de aproximação até ao final dos anos 90 fez com que fossem os nostros hermanos a descobrir e explorar a quase totalidade desta maravilhosa jóia da escalada em granito. Dito por um viajado escalador espanhol: talvez seja uma das melhor paredes de granito da península ibérica. Esta parede conta com algumas dezenas de vias: umas com corte mais clássico em que por vezes nem as reuniões estão equipadas, outras, as mais recentes (e felizmente menos), mais desportivas. De qualquer forma a escalada é essencialmente caracterizada por contínuos diedros, areias placas ou atléticas fissuras. Apesar de ser possível escalar todo o ano a melhor altura para escalar na Meadinha é a primavera ou o outono. No verão o calor poderá tornar sufocante a escalada e no inverno podem existir zonas húmidas durante bastante tempo.

AGULHA PEIGNE [Les Lépidoptéres + Via normal]

Apesar de estarmos em Julho as condições de neve estão péssimas. Chegamos a Chamonix com a ideia da neve e acabamos por optar pela rocha. Mesmo isso terá que ser no intervalo do mau tempo. Acabamos por alterar o projecto e decidir pela Agulha do Peigne subindo pela sua via normal mas iniciando pela Les Lépidoptéres.
Enquanto a primeira data do inicio do século vinte a segunda foi aberta em 28 Julho 1986. Com esta opção queremos entrar mais alto na via normal evitando assim as outras duas entradas habituais: o terreno com muito cascalho da normal ou a concorrida aresta dos Papillons.

PEÑA UBIÑA [esporão oeste]

Trata-se de uma escalada acessível que permite subir a este cume desfrutando de umas excelentes vistas para os vales de Babia. Com cerca de 1000 metros de comprimento e 800 de desnível percorre quase integralmente o esporão sendo que as principais dificuldades centram-se nos primeiros lances.
A rocha nem sempre é de boa qualidade,

PEÑA UBIÑA [Integral de Los Portillines]

Informações Integral Portillines em Peña Ubiña

Esta actividade é uma clássica no maciço de Peña Ubiña e foi realizada pela primeira vez em 1956 por Caneja, Cifuentes, González y Lueje.

É um percurso de dificuldade técnica baixa – com passos II e III – que alterna passos mais expostos com outros

mais descontraídos. No entanto, devido à má qualidade da rocha, é necessário dobrar os cuidados, o que torna por vezes lenta a progressão. Em algumas zonas existe bastante risco do desprendimento de pedras para o lado de Cueva Palácios, exactamente para zona onde passa o caminho que sobe para os Fontanes.

O encordamento para a progressão depende muito do à vontade neste tipo de terreno. É possível combinar partes desencordados com outras de cordada em movimento apesar que fazer toda a aresta encordado não nos pareceu grande problema.