SERRA GERÊS [Fafião – Lagoa do Marinho – Borrageiro II – Prado da Messe – Prado do Conho – Prado das Rocas – Coução – Ponte de Fafião – Fafião]

Já algum tempo que tinha ideia desta volta. Uma volta comprida, em que pode-se ver um dos grandes vales da Serra do Gerês: o vale do rio Fafião. Depois de ter efectuado partes do caminho ao longo dos anos faltava um bonito esporão que inicia em Fafião e, como uma espinha dorsal, se prolonga bem até ao interior da serra, passando pela Lagoa do Marinho, Borrageiro II e Minas do Borrageiro para ir morrer na cumeada do rio Homem. Ao longo de todo este percurso existem pelo menos dois Fojos dos lobos, ambos bastante danificados, o que contrasta com o que existe bem perto da aldeia de Fafião.

Picos Europa – Maciço Central [Travessia Peña Vieja – Torre Cerredo – Torre Llambrion]

Apesar dos projectos iniciais serem outros contratempos acabaram por fazer com que a decisão uma versão mais curta e mais dedicada à marcha do que era previsto.
Os primeiros três dias foram dedicados a percorrer alguns dos cumes mais altos do maciço central. As ascensões foram feitas pelas habitualmente chamadas “vias normais”. No entanto algumas delas tem obrigatoriamente passagens de escalada onde a subida sem corda torna tudo mais rápido mas proíbe qualquer queda nessas passagens.

SERRA GERÊS [PR Currais+Miradouros+Calcedonia]

Depois de alguns meses de inactividade o desejo de uma volta mais durita estava a impor-se. Algo sem muita logística mas que desse para o corpo se relembrar do exercício. Com essa ideia resolvi juntar dois percursos (que no final quase eram três) cuja distancia e desnível já tivessem alguma importância.

SERRA GERÊS [Pitões-Fonte Fria-Barragem Paradela-Pitões]

Este percurso começa em Pitões seguindo para norte em direcção à fronteira. A partir daí segue a linha de fronteira subindo para o Penedo da Pizarra e percorrer alguns estradões que a seguem. Ao chegar à Lomba contorna-se o Coto das Gralheiras descendo ao vale do lado português, por um caminho nem sempre evidente, para voltar a subir e retomar a linha da fronteira logo à frente.

TUC VALLIBERNA E TUC CULEBRES [Vale de Valliberna, aresta e Canal de Culebres]

Desde o refúgio seguimos o percurso do GR-11, subindo o vale, para um pouco mais à frente encontrar o desvio para os Ibones de
Coronas e logo de seguida, na Pleta de Llosas, encontrar o caminho que desvia para os Ibones com o mesmo nome (2225 m). Ambos os desvios estão bem assinalados. O desvio para Llosas atravessamos o à nossa direita através de uma ponte de madeira e continuamos a subir o vale. Até aqui o caminho segue por entre o pinheiros mas o seu número vai diminuindo com a altitude.