Montanha Leve

 

 

Alpes Franceses

 > Contamine-Grisolle

 > Contamine-Mazeaud

 > Contamine-Negri

 > Le Râteau Oeste - Aresta Oeste - Ecrins

 > Mont Gioberney - Ecrins

 

Alpes Suiça/Italia

 > Travessia Breithorn - Castor

 

Espanha

 > Pico Torres - Via normal

 > Pico Agujas - Corredores face NE

 > Pico Coriscao - Pelo Collado de Llesba em ski

 > Pico Tesorero - face oeste em ski

 > Canchal de La Ceja - Bejar - em ski

 > Pico Padierna - invernal por Canal S.Luis

 > Peña Fornos em ski - San Isidro

 > Torre Friero - corredor norte invernal

 > Peña Ubiña - Norte Clássica

 > Curavacas- Corredor Sul

 > Pico Murcia - Directa Norte

 > Pico Espiguete - Corredor Nordeste

 

 

 

CURAVACAS

[corredor sul]

É uma das vias clássicas na montanha Palentina. Aberta nos anos 60 é de uma dificuldade média. Com um excelente acesso desde Vidrieros, de onde podemos admirá-la quase na totalidade, é por vezes subestimada. Como é habitual na montanha só no fim da a descida é que acaba a actividade e este caso é um excelente exemplo. Ter atenção se a montanha está muito carregada de neve já que a face sul, em que podemos incluir a descida, fica exposta ao sol aumentando a possibilidade das avalanches. Convém começar a via cedo de forma a aproveitar a sombra que o esporão sul faz sobre ela e a garantir boas condições para a descida. Em especial na sua parte superior. Para a segurança na via o melhor é levar estacas ou ancoras de neve. Dadas as características da rocha não é fácil colocar seguranças. No que se refere a pitões de gelo poderão ser úteis na travessia para o cume através da face norte mas dada a orientação sul, que não favorece a formação de gelo, quase de certeza que não serão necessários no corredor.
CuravacasSul
Desde Vidrieros seguimos um caminho que sai da sua parte superior e que segue para este. Depois de o seguir por uns minutos, passamos um rio com uma ponte para logo a seguir a ele seguir por outro que sai à direita. Aqui inicia verdadeiramente a subida. Com a vista da via seguimos por uma serie de prados e bosques, passamos os prados de Cabriles, e seguimos em direcção à base do esporão sul subindo por umas inclinadas ladeiras para atingir a base do corredor. Aqui será o melhor local para nos equipar. Dependendo das condições poderá ser possível subir mais sem encordar. Até aqui serão entre hora e meia a duas horas.
Os primeiros metros não são muito inclinados. A seguir aumenta um pouco, andando pelos 45º em especial se há pouca neve, e baixa novamente para uns 35º. Conforme vai estreitando a inclinação volta a subir atingindo o seu máximo na parte final onde pode chegar aos 50-60º.


Ao atingir o colo o cimo está a cerca de 50 metros à direita. Para esta parte a solução mais fácil é seguir uma travessia pelo lado norte. Apesar de fácil a passagem é muito exposta e a queda é mortal. A outra solução é uma diedro/chaminé mesmo por cima da saída do corredor (dificuldade de IVº). Em ambos os casos saímos próximo do marco do cimo.

Para descer seguimos a aresta em direcção a zona inclinada de Las Llanas. Depois de a passar giramos à direita quando começa descer. Continuamos a descer até atingir o inicio empinado do Callejo Grande que destrepamos. Esta zona é perigosa se não conhecemos e está coberta com nevoeiro. Também é uma zona propicia a avalanches quando existe muita neve. Conforme vamos descendo o Callejo Grande vai perdendo a inclinação até à sua base, onde voltamos a encontrar o caminho de subida. Do cume até atingir novamente Vidrieros demoraremos cerca de duas horas. 

 

 

 

 

 

FOTOS DO PERCURSO

PERCURSO NO MAPA

MAPA EM 3D

PERFIL DE ALTITUDES

FICHEIROS GPS

TEXTO EM PDF

 

 

Horário

1h30 a 2h até à base

2/3h para a via

2 horas descida

Extensão

500 mts

Desnivel Acumulado

Positivo - 1250 mts

Negativo - 1250 mts

Dificuldade

III/2+ (max.60º)