Montanha Leve
DSC_1793 peq 2

TEMAS

 > É possivel ir mais leve!

 > Os três grandes

 > Frontal barato e leve

 > Eliminar os itens não essenciais

 > Usar equipamento multifunções

 

DESCARREGAR

 > Folha para controlar o peso na mochila

 

 

 

 

MONTANHA LEVE

montanhismo com menos mas mais longe e melhor

Quantas vezes já pensamos como era optimo a mochila pesar metade do que está pesar?

Com esta pagina pretendo mostrar as possibilidades do montanhismo usando, e aplicando, uma filosofia de "menos é melhor".

Esse "menos" não quer forçosamente não levar menos coisas mas também escolher melhor os materiais de forma reduzir o peso que transportamos. Porquê comprar um impermiável de alpinismo se o que fazemos, e gostamos, é de actividades com o tempo bom e de um ou dois dias? Além de mais caro pode chegar a pesar três vezes mais.

Se pensarmos dessa maneira nas várias areas vamos conseguir reduzir alguns quilos à mochila.Caso alguem queira partilhar as suas dicas, ou experiências, terei muito gosto em publicá-las dentro do possivel.

É possivel ir mais leve!

Muitos montanheiros andam com peso a mais nas suas mochilas para suas as necessidades. Isto irá fazer com que andam mais lentos. Andando mais lento vão necessitar de mais tempo para fazer o mesmo percurso. Demorando mais tempo no percurso vão necessitar de mais comida o que os leva a ter ainda mais peso.
Para evitar isso temos que reduzir o peso base. Entenda-se como peso base a mochila, com todos os itens dentro, excluindo a comida, combustível e agua. Tirando estes três últimos (que podem variar com o numero de dias que vamos estar no monte e ir reduzindo ao longo deles) todos os outros mantém o seu peso seja qualquer for o percurso e a sua duração. É sobre eles que podemos actuar. Também não deve ser considerada a roupa (calças, t-shirt, roupa interior e calçado) que teremos vestida durante a marcha já que estas não estarão dentro da mochila.
Claro que esta análise irá depender das condições que pensamos encontrar. Certamente não é o mesmo fazer uma volta no rigoroso mês de Janeiro ou no temperado mês Maio.
Para podermos fazer uma correcta avaliação podemos utilizar o processo das cinco etapas:
1. Pesar todo o equipamento
2. Reduzir os três grandes (dormida, abrigo e mochila)
3. Eliminar os itens não essenciais
4. Usar equipamento multi-funções
5. Tornar o equipamento mais compacto
Aplicando este método vamos tentar reduzir o peso e eliminar as coisas desnecessárias.
Ter uma mochila que pesa 10 kg na sua totalidade é mais fácil que parece. No entanto, e aplicando o mesmo processo, podemos chegar a uma mochila para um montanheiro ultra-leve (5kg ou menos) mas para isso já é necessário algum investimento e mudança no tipo de equipamento a transportar.
Agora vamos analisar o primeiro ponto. Nas próximas publicações veremos os restantes.

1. Pesar todo o equipamento
Para podermos ter uma ideia onde podemos "cortar" temos que saber o peso de cada um dos itens que transportamos. Para isso pegamos numa balança, tipo a das cozinhas, e pesamos tudo o que temos, e que podemos levar numa marcha, e anotamos até ao grama. Se temos dois sacos-cama pesamos os dois de forma a saber a diferença. Apesar de ser um pouco monótono este passo é essencial para o processo. É importante que não usemos os valores dados pelos fabricantes já que é frequente estes não corresponderem à realidade.
Para ajudar podem descarregar aqui uma folha de cálculo que ajudará a controlar os valores a decidir o que levar da próxima vez.

Topo

 

Os três grandes (parte 2)

Tal como mencionei anteriormente os itens que mais influenciam no peso que transportamos são: a mochila, o saco-cama e a tenda. Ao reduzir nestes três itens vamos notar logo uma diferença no peso total da mochila.
Apesar de ser possível reduzir mais, um bom ponto de partida será tentar que cada um deles não pese mais do que 1,3 kg. Ou seja que o total não ultrapasse os cerca de 4kg. Se um deles é mais pesado algum dos outros terá que compensar.
Vejamos cada um deles:

Sacos-Cama:
Ao reduzirmos neste item notaremos logo uma diferença no peso mas também no volume. O saco será mais pequeno e por consequência o da mochila também.
Ser do tipo múmia e ter fecho ou não são duas opções que vão reduzir o peso, mas também ser de penas em vez de fibra tornará o saco mais leve e mais compressível.
Também escolher o saco conforme a estação do ano em que habitualmente fazemos montanha pode reduzir o peso. Não vale a pena ter um saco para 15º negativos se só dormimos no monte entre Maio e Setembro. É preferível ter um saco mais leve (por exemplo para uma temperatura extrema de -5º), vestirmos mais roupa e colocar um gorro na cabeça caso a noite esteja mais fria. O que possamos vestir de roupa irá sempre connosco pelo que poderemos sempre aumentar a capacidade do saco desta forma. Enfiar os pés na mochila ou no casaco impermeável com o fecho corrido aumentará alguns graus à capacidade do saco cama sem termos que levar mais peso.
O ideal será termos dois sacos cama: um para verão/primavera e outro para outono/inverno, sendo que nesta estação forçosamente teremos que transportar mais peso. As escolhas do mercado são muitas pelo que escolham com calma e se possível experimentem varias opções (pedindo os sacos aos v/ amigos por exemplo) de forma a acertarem com a que melhor vos serve tendo sempre presente o limite de 1.3kg.

Tendas e alternativas
A maioria das tendas do mercado pesa mais do que o limite dos 1,3 kg. Será necessário sermos um pouco mais exigentes para encontrarmos tendas constituídas pelos habitais interior e duplo-tecto que se fiquem por este peso. tenda1
Para reduzirmos o peso é melhor optarmos por uma de duas soluções pouco habituais entre nós: uma cobertura e um chão impermeáveis, mas sem paredes, ou uma tenda de uma única parede. Com a primeira ficamos abrigados da chuva ou da humidade da noite e do chão sem comprometermos o peso. Na segunda conseguimos um pouco mais de calor mas também existe a possibilidade de maior condensação. Existem algumas soluções intermédias no mercado onde a questão da ventilação foi aumentada de forma a reduzir a condensação.
Apesar de nenhuma ser habitual em Portugal ambas reduzem o peso do nosso abrigo podendo mesmo chegar em alguns casos (de toldo com chão impermeável) a quase metade do valor que definimos como o nosso limite de 1.3kg. Têm a desvantagem de serem limitados a abrigar-nos em situações em que exista bastante vento e de necessitarem de alguma habituação para quem hoje usa uma tenda com duplo tecto.
Outra opção, também bastante leve, é o saco de bivaque. Esta solução tem a desvantagem de só termos protecção para o saco-cama (em alguns casos para um pouco mais) e caso esteja a chover de forma contínua ficamos muito limitados. Também (habitualmente) só dá para uma pessoa.

Mochilas
Depois de termos reduzido o peso da nossa mochila para próximo dos 10 kg, em especial no saco-cama e tenda, vamos verificar que já não precisamos de uma mochila tão grande quanto isso. Podemos optar por uma mais leve, com menos estrutura rígida e sem as enormes e pesadas espumas nos ombros e cintos.
mochila1Com a redução do saco-cama e tenda podemos facilmente ter uma mochila entre os 45/50 litros que nos permita realizar travessias de 4/5 dias em autonomia.
É importante que quando a formos comprar tenhamos em conta o seu peso e não só a sua estrutura ou aspecto. Se queremos reduzir o seu peso devemos primeiro ter atenção a esse factor e depois experimentá-la com carga para analisar a sua estrutura e conforto. Sempre tendo em atenção ao limite de 1.3kg ou menos.

Para terminar: irão notar que se tiver em atenção ao peso facilmente o vão reduzir. Se poderem optem sempre por experimentar varias soluções antes de comprarem. Será sempre mais barato e no final ficarão mais satisfeitos.
Agora que "atacamos" os principais responsáveis pelo peso na nossa mochila a tarefa vai tornar-se cada vez mais difícil e exigir tempo e dedicação. No entanto tenham em atenção de que se trata de um processo contínuo e a longo prazo (mas muito satisfatório) onde será necessário obter mais conhecimentos permitam prosseguir o processo.
Um apontamento: vão registando e guardando os valores que levaram em cada actividade. Será muito interessante ao final de algum tempo verificar os ganhos obtidos.

Topo

 

Ideia para frontal leve e barato

Para quem está a rever as coisas que leva na mochila aqui fica a ideia de uma lanterna leve, barata e polivalente. Trata-se de uma pequena luz vendida pela Decathlon para usar nas bicicletas. asset_52030994
Pesa 17 gramas, é alimentada por duas pilhas CR2032 (já incluídas mas que FrontalLeve1podem ser compradas em conjuntos de seis por 1.99€ no Ikea). Segundo a informação da marca dura, continuamente ligada, cerca de 32 horas alimentando os seus dois leds. Como foi feita para andar de bicicleta tem uma luz suficientemente forte para iluminar enquanto andamos. A luz emitida é agradável e é fácil de ligar, mesmo se estivermos de luvas, além de resistir a alguma chuva ligeira.
Para usarmos como frontal só teremos que colocar uma cinta (que habitualmente já levamos na mochila para segurar o colchoneta pelo que não pressupõe qualquer aumento de peso) e regular na nossa cabeça. Poderá não ser o frontal mais perfeito mas também não foi desenhado para tal. É só mais uma ideia para reduzir peso e volume.
Para quem praticamente só usa o frontal quando está Frontal1parado à noite, para cozinhar e estar na tenda (esporádicamente para uma pequena marcha nocturna) é uma solução barata – custa 5.95€ – e que pode ser usada em outras situações como andar de bicicleta ou para ter no carro.
frontal3Uma nota final: apesar de se aguentar perfeitamente sem se ligar dentro da mochila o botão não feito para estar a ser apertado no meio das coisas que levamos. Uma dica é não passarmos o anel que a fixa e colocarmos o pequeno plástico que vem no meio das pilhas cada vez que não a estejamos a usar (ou algo semelhante que evite o contacto entre as pilhas como um pedaço de papel)..

Topo

 

Eliminar os itens não essenciais (parte 3)

Quando fazemos a nossa mochila temos que ter em atenção aos itens colocamos e pensarmos se eles são verdadeiramente necessários ou são luxos que poderíamos deixar em casa: levamos almofada? E roupas extra que nunca vestiremos? Ou mudas de roupa a mais? Levamos o frasco de protector solar inteiro para 4 dias de actividade? E o nosso cantil é termos (de plástico ou metal)?
Não existe nada de errado em levar um ou outro item de luxo como seja ipod para a musica ou o livro para lermos. Todos nós o fazemos. O que temos que ter em atenção é em analisarmos esses luxos de uma forma mais metódica e exigente em termos de peso e volume para ver se valem a pena emFrascos carregá-los.
Vale mesmo a pena levar uma almofada, mesmo que seja de encher, ou o casaco em cima da mochila resolve o problema? Precisamos da garrafa termos ou uma garrafa de plástico servirá para o mesmo? Ainda podemos apertá-la para ficar mais pequena… No caso dos frascos de protector solar, detergente líquido ou outros líquidos semelhantes podemos poupar imenso no peso se optarmos por levar pequenas quantidades em pequenos frascos. Se na maioria das situações só iremos necessitar de uma décima parte do frasco grande porquê levar 10x mais peso? Podemos poupar umas 200 gramas só nesta área. Um outro exemplo disto é pasta dos dentes. Carregar um tubo que dura um mês para uma actividade de quatro dias não faz muito sentido.
Uma outra área onde podemos reduzir é na roupa que levamos. Não há necessidade de levarmos pares de meias para todos os dias se podemos tirar as meias usadas à noite, calçar umas secas e limpas, lavar as usadas e levá-las penduradas a secar durante o dia seguinte. Pode não ser o mais "bonito" mas é eficiente.
Nos mapas podemos optar por levar só as partes que nos interessam em vez de carregar dois ou três mapas. Usando um programa de tratamento de dados do GPS que permita ver os mapas podemos unir vários mapas em formato digital e imprimir a parte que nos interessa. Além de podermos ter o percurso marcado poupamos os originais para uma consulta com mais cuidada em casa.
One_Zip_3l_pNa farmácia de montanha acontece algo semelhante. Muitas pessoas levam uma farmácia numa bonita bolsa forrada e cheia de bolsos. Já experimentaram pesar umas dessas bolsas sem ter nada dentro? Vão ficar surpreendidos com o peso só da bolsa. Se usarmos um saco com um fecho plástico (dos usados para a congelação mas com fecho de correr) com outros mais pequenos separar as diversas coisas tornamos o conjunto mais impermeável e mais leve.
Uma área onde podemos poupar algum peso é na comida. Não propriamente em menos comida mas nas coisas em que elas são embaladas. Retirar as caixas, sacos extra ou substituir por outros mais leves são formas de não levar peso desnecessário.
Isto são só alguns exemplos. O importante é analisarmos todo o material que colocamos na mochila com um sentido critico de forma a vermos onde levamos peso desnecessário. Parece simples mas para ser levado a sério necessitamos de ser exigentes e rigorosos. Mas os resultados fazem-se notar…

Topo

 

Usar equipamento multifunções (parte 4)

Uma das formas de reduzir o peso do nosso material é usar opções que tenho o maior número de funções possíveis.
As possibilidades são imensas e muitas vezes só limitadas pela nossa imaginação:

  • se temos uma tenda que é montada com mastros (tipo as conhecidas canadianas) e levamos habitualmente bastões durante a marcha não há motivo para não os usarmos para a montar. Pouparemos assim uns 200/300 gramas em não levar os mastros;ByTarpTent

  • a maioria das mochilas tem uma estrutura colocada no interior da mochila. Se a retirarmos e colocarmos a colchoneta dobrada no seu interior continuamos a ter alguma estrutura e zona almofada com a redução do peso da estrutura. Claro que nem todas as mochilas têm essa possibilidade mas se vamos comprar uma nova podemos analisar esta possibilidade;

  • usar a roupa de abrigo – calças térmicas, gorro, casado de penas ou fibra, etc. – para dormir reduzimos o peso do saco cama que vamos precisar mantendo a roupa que vamos necessitar;

  • cortar a colchoneta para dois terços (meio corpo) e usar a mochila para as pernas com o saco de nylon da nossa roupa suplente como almofada reduzimos o peso em uns 100 a 200 gramas; ColchenetaCortada

  • se costumamos usar um gorro fino podemos substituir por um lenço de algodão – que dobrado de algumas formas substitui o gorro – e ainda pode ser usado como pega dos tachos, para guardar os óculos de sol, limpar uma ferida, limpar as lentes, etc..

Estes são só alguns exemplos e muitos mais podem ser aplicados. Podem ser vistos como poucas gramas mas só nos exemplos acima temos uma redução de umas 600 gramas. Se a nossa mochila andar com um peso base de 8 kg (isto é sem os consumíveis - como combustível e comida – ou a roupa com que andaremos vestidos) estamos a falar de uma redução de 7,5% do seu peso… e ainda só arranhamos a superfície.

 

Topo