TUC VALLIBERNA E TUC CULEBRES [Vale de Valliberna, aresta e Canal de Culebres]

Desde o refúgio seguimos o percurso do GR-11, subindo o vale, para um pouco mais à frente encontrar o desvio para os Ibones de
Coronas e logo de seguida, na Pleta de Llosas, encontrar o caminho que desvia para os Ibones com o mesmo nome (2225 m). Ambos os desvios estão bem assinalados. O desvio para Llosas atravessamos o à nossa direita através de uma ponte de madeira e continuamos a subir o vale. Até aqui o caminho segue por entre o pinheiros mas o seu número vai diminuindo com a altitude.

PICO CORISCAO [invernal pelo Collado de Llesba]

Este pico é conhecido por ser um excelente mirador tanto dos Picos da Europa como da Peña Prieta. Não sendo uma montanha escarpada é uma óptima ascenção no verão mas muito melhor quando se cobre com a neve do Inverno. Nós já a fizemos nas duas estações. É uma subida fácil e mantida durante todo o percurso empinando um pouco na parte final. Como percurso é quase sempre na aresta que liga o Collado de Llesba ao cume é uma subida bastante segura mesmo quando cumes estão carregados de neve e o risco de avalanche é um pouco alto. Por outro lado isto faz com que seja uma ascenção algo exposta em caso de vento.

PICO ANETO [via normal pelo Portillon Superior]

O Aneto é a montanha mais alta dos Pirenéus, e a segunda mais alta de Espanha, mas também uma das mais conhecidas e massificadas.

Tem duas vias que podem ser consideradas como normais: pelo refugio de La Renclusa e pelos Ibones de Coronas.
Só em 1817 foi considerada a montanha mais alta Pirenéus. Até essa altura a montanha venerada como a maior era o Monte Perdido.

PICO AGUJAS [corredor direito e esquerdo]

O Picos Agujas (2141 m) é um cume situado no circulo de Cebolledo, local onde se encontram a maior parte das pistas da estação da esqui de S.Isidro. Esta estação está na fronteira entre as provincias de Castllha-Leon e as Asturias em Espanha.
Com a sua orientação a NE tem uma aproximação muito curta especialmente se usarmos o teleski da estação. A sua orientação permite que as sua pendentes mantenham a neve durante bastante tempo e habitualmente em boas condições.

MEADINHA [vias escaleras cielo+ Outsiders+ Queles+ Roy+ Meadinha+ S]

A fraga da Meadinha deverá ser a parede de Portugal mais emblemática em termos de escalada clássica. Só quem alguma vez escalou nesta parede pode entender a magia que a circunda. Situada na Serra da Peneda, em pleno parque Peneda Gerês, a quase totalidade das suas vias foram abertas por escaladores Galegos que em 1972 abriram a primeira via. A maior proximidade e rapidez de aproximação até ao final dos anos 90 fez com que fossem os nostros hermanos a descobrir e explorar a quase totalidade desta maravilhosa jóia da escalada em granito. Dito por um viajado escalador espanhol: talvez seja uma das melhor paredes de granito da península ibérica. Esta parede conta com algumas dezenas de vias: umas com corte mais clássico em que por vezes nem as reuniões estão equipadas, outras, as mais recentes (e felizmente menos), mais desportivas. De qualquer forma a escalada é essencialmente caracterizada por contínuos diedros, areias placas ou atléticas fissuras. Apesar de ser possível escalar todo o ano a melhor altura para escalar na Meadinha é a primavera ou o outono. No verão o calor poderá tornar sufocante a escalada e no inverno podem existir zonas húmidas durante bastante tempo.