LOS ARGAOS [aresta los argaos]

A aresta de Los Argaos é a primeira linha de de cumes afiados que encontramos logo por cima do refugio de Vegarredonda e um dos percursos deste género mais clássicos dos Picos da Europa. Relativamente simples, e com várias hipóteses de fuga na parte inicial, é um percurso ideal para uma actividade “rápida” mas com grandes sensações.

Acesso – Depois de alcançarmos o refúgio de Vegarredonda, seguimos para a Llampa Cimera por cima do refúgio antigo, até alcançar o desvio para o Collado La Fragua e para o Porru Bolu. Seguimos para o primeiro onde encontraremos o início desta via.

SERRA GERÊS [Trilho dos Currais]

Não sendo propriamente um habitual dos PR, aproveitei a necessidade de relembrar algumas passagens nesta zona e realizei este. Podemos encontrar o folheto no site da Câmara de Terra de Bouro.

O Trilho dos Currais é um percurso de PR que ao longo de menos de 10 kms percorre a encosta sobranceira das Caldas do Gerês. Inicia junto ao parque de campismo e sobe até ao primeiro planalto da serra.

NEDIA [Via Fissura Oculta]

Esta via poderá ser outra forma de escalarmos a parte de baixo da Nedia e de ligarmos com outra da parte superior. O início é à direita da via “Narizes” e sobe um pequeno esporão de blocos, no cimo do qual se monta a primeira reunião, para alcançar uma fissura que praticamente não se vê de baixo e daí o nome da via. Em seguida faz-se um lance onde é muito difícil colocar qualquer protecção para atingir o patamar intermédio com um lance fácil.

Para além desta via e da “Narizes” foram abertas várias outras vias como a Erea, Luso-Francesa, a via dos Morcegos ou a

NEDIA [Via Narizes]

Esta parede deverá ser a maior parede de Portugal. Apesar de não ser contínua, tem uma plataforma a meio que liga as duas zonas da parede, os seus cerca de 500 metros de comprimento, a aproximação não muito fácil, e especialmente a sua longa descida, fazem com que seja uma escalada algo comprometida.

Talvez a pior parte da escalada desta parede seja precisamente a aproximação. A saída é da aldeia de Tibo. Desce até ao rio e depois de passar o rio temos que ir subindo em direcção à parede tentado fazer a pelas zonas com menos mato possível. A pior zona é próximo da parede onde as árvores e o mato mais alto não deixa ver o local exacto para onde queremos ir.

Pico Perdiguero [subida pelo Vale Remoñe e descida pelo de Lliterola]

Apesar de não ser o mais alto de certeza um dos que tem um conjunto de percurso/desnível na zona de Benasque. Isto claro se o fizermos num único dia.

A subida habitual é pelo vale de Lliterola mas nós optamos por subir o vale de Remuñe e descer por este. O único senão em optar por esta opção é ter que garantir a deslocação entre o inicio e fim do percurso ou confiar na boa vontade de um automobilista, o que nos poupará cerca de 40 minutos de marcha pela estrada.