NEDIA [Via Fissura Oculta]

Esta via poderá ser outra forma de escalarmos a parte de baixo da Nedia e de ligarmos com outra da parte superior. O início é à direita da via “Narizes” e sobe um pequeno esporão de blocos, no cimo do qual se monta a primeira reunião, para alcançar uma fissura que praticamente não se vê de baixo e daí o nome da via. Em seguida faz-se um lance onde é muito difícil colocar qualquer protecção para atingir o patamar intermédio com um lance fácil.

Para além desta via e da “Narizes” foram abertas várias outras vias como a Erea, Luso-Francesa, a via dos Morcegos ou a

NEDIA [Via Narizes]

Esta parede deverá ser a maior parede de Portugal. Apesar de não ser contínua, tem uma plataforma a meio que liga as duas zonas da parede, os seus cerca de 500 metros de comprimento, a aproximação não muito fácil, e especialmente a sua longa descida, fazem com que seja uma escalada algo comprometida.

Talvez a pior parte da escalada desta parede seja precisamente a aproximação. A saída é da aldeia de Tibo. Desce até ao rio e depois de passar o rio temos que ir subindo em direcção à parede tentado fazer a pelas zonas com menos mato possível. A pior zona é próximo da parede onde as árvores e o mato mais alto não deixa ver o local exacto para onde queremos ir.

Pico Perdiguero [subida pelo Vale Remoñe e descida pelo de Lliterola]

Apesar de não ser o mais alto de certeza um dos que tem um conjunto de percurso/desnível na zona de Benasque. Isto claro se o fizermos num único dia.

A subida habitual é pelo vale de Lliterola mas nós optamos por subir o vale de Remuñe e descer por este. O único senão em optar por esta opção é ter que garantir a deslocação entre o inicio e fim do percurso ou confiar na boa vontade de um automobilista, o que nos poupará cerca de 40 minutos de marcha pela estrada.

SERRA GERÊS [Leonte – Prado de Mouró – Freza – Lomba de Pau – Prado do Conho – Prado Messe – Costa Sabrosa – Albergaria – Leonte]

NOTA: este percurso passa por zonas do PNPG com restrições de acesso. É aconselhável confirmar essas as condições.

É uma marcha que percorre alguns dos prados mais conhecidos da Serra do Gerês. A primeira vez que a publiquei online foi em 2006. Chegou a fazer parte da lista dos percursos reconhecidos pelo parque mas foi retirado quando a area de protecção total foi aumentada englobando o prado da Messe. A ultima vez que o fizemos verificamos que a quantidade de lixo existente tem vindo a aumentar de alguns anos para cá. Isso nota-se especialmente no prado do Conho onde a alteração do abrigo de pastores que ai existe dá a ideia que estes prados estão com muito mais frequência.

SERRA ARGA [Zona de escalada Penice]

Esta zona de escalada situa-se no concelho de Caminha, a poucos quilómetros a sul da fronteira com Espanha. As primeiras vias de escalada registadas são dos finais dos anos 90, tendo sido bastante divulgada, por parte do Clube Celtas do Minho, após terem equipado os sectores Esfola e Escola no ano 2000.