SERRA GERÊS [leonte – borrageiro invernal]

No dia 10 Dezembro 2006, e após saber que no dia anterior tinha nevado, partimos em direcção ao Gerês com o objectivo de fazermos uma pequena marcha. As previsões eram boas pelo que a perspectiva de vermos a serra completamente cheia de neve era grande.

Como para o Mex era a primeira aventura na neve resolvemos fazer a marcha numa de “vamos indo, vamos vendo” conforme ele se fosse adaptando.

SERRA GERÊS [travessia cela-lamas de mouro]

Deverão existir inúmeras formas de atravessar o Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Nós acabamos por optar por fazer uma travessia sul-norte / este-oeste cruzando desta forma o parque numa diagonal ascendente. A ideia original era uma saída de Pitões das Junias. No entanto um dia inteiro de chuva causou-nos um atraso que achamos difícil de recuperar nos restantes dias disponíveis sem que isso nos causasse alguns problemas logísticos. Optamos por sair de Sela, junto à barragem de Paradela, levando tudo o que achavamos necessário para os dias seguintes às costas.

SERRA GERÊS [Fafião – Lagoa do Marinho – Borrageiro II – Prado da Messe – Prado do Conho – Prado das Rocas – Coução – Ponte de Fafião – Fafião]

Já algum tempo que tinha ideia desta volta. Uma volta comprida, em que pode-se ver um dos grandes vales da Serra do Gerês: o vale do rio Fafião. Depois de ter efectuado partes do caminho ao longo dos anos faltava um bonito esporão que inicia em Fafião e, como uma espinha dorsal, se prolonga bem até ao interior da serra, passando pela Lagoa do Marinho, Borrageiro II e Minas do Borrageiro para ir morrer na cumeada do rio Homem. Ao longo de todo este percurso existem pelo menos dois Fojos dos lobos, ambos bastante danificados, o que contrasta com o que existe bem perto da aldeia de Fafião.

SERRA GERÊS [PR Currais+Miradouros+Calcedonia]

Depois de alguns meses de inactividade o desejo de uma volta mais durita estava a impor-se. Algo sem muita logística mas que desse para o corpo se relembrar do exercício. Com essa ideia resolvi juntar dois percursos (que no final quase eram três) cuja distancia e desnível já tivessem alguma importância.

SERRA GERÊS [Pitões-Fonte Fria-Barragem Paradela-Pitões]

Este percurso começa em Pitões seguindo para norte em direcção à fronteira. A partir daí segue a linha de fronteira subindo para o Penedo da Pizarra e percorrer alguns estradões que a seguem. Ao chegar à Lomba contorna-se o Coto das Gralheiras descendo ao vale do lado português, por um caminho nem sempre evidente, para voltar a subir e retomar a linha da fronteira logo à frente.