MAMPODRE [super integral]


       

Há uns anos atrás já tínhamos efectuado a Integral de Mampodre durante o inverno. Desta vez o objectivo foi a volta maior da Super Integral de Mampodre, que soma à primeira, mais alguns dos cumes mais altos do maciço.
Tal como a anterior é um excelente percurso, que aumenta também de dureza devido ao muito desnível acumulado.

Em termos de dificuldade técnica é semelhante à Integral, com alguns passes de IIIº ao longo do seu percurso. No entanto encontramos mais zonas aéreas e expostas, em especial na parte entre o Cervunal e a zona dos rappeis, e na zona Crestón delos Cubos.
Esta volta é possível de realizar num único dia mas como a realizamos no final da época invernal, e íamos carregados com todo o material de neve, nós optamos por efectuar em dois dias com um bivaque a meio.

CANTARO MAGRO [luso-galaica V+ | 150m +100m]


       

A via Luso-Galaica é uma emblemática via do Cântaro Magro, aberta nos finais dos anos 70 na face oeste, por escaladores galegos em conjunto com elementos do Clube Nacional de Montanhismo (norte). A parte inferior foi escalada pela primeira vez em 20/agosto/1972 por várias cordadas durante um curso dado pelo guia A. Darbelay, sendo esta conhecida como “Via da Chaminé Larga”. Tal como ocorre hoje em várias vias desportivas, via “Luso-Galaica” acaba por ser a união da via “Chaminé Larga” com uns novos lances abertos pelos escaladores galegos na parte superior do anel. Muito possivelmente terá contribuido para esta situação o desconhecimento de que os primeiros lances já tinham sido escalados. Talvez isso tenha ocorrido pela dificuldade na partilha de informação existente na altura, algo que hoje, devido à internet e outros guias escritos, nos é muito mais acessivel.
Esta via será talvez uma das vias mais repetidas ao longo dos anos no Cântaro Magro. Muito pela caracteristica, e pouco comum em Portugal, chaminé do segundo lance. Não sendo uma via continua (pois tem o anel do cantaro entre a parte inferior e superior), o confortável grau de dificulade e a referida chaminé, fazem dela uma interessante via para primeiro contacto com a escalada na Serra da Estrela.

CANTARO MAGRO [leste clássica V | 650m]


       

Depois de termos escalado da via Josefina Alpina ficamos com o “bichinho” de ver como era a Leste Clássica. Já sabíamos que era consideravelmente mais simples do que a Josefina, mas uma via de 600 metros é sempre uma aventura garantida e um dia bem passado.
Há mais de 20 anos eu já tinha feito a Via Verde pelo que retomar à mesma zona era muito fixe. Nessa altura os melhores croquis que tínhamos não eram mais umas fotocopias a preto e branco, de umas fotografias com umas linhas, que quase era mais difícil de ler do que a própria via. Algo muito longe das fotografias de grande definição que temos hoje. Ainda bem que muitas destas coisas melhoraram!
Enquanto a Josefina Alpina segue sobre a esquerda desta face, quase no limite com a cara sul, a Leste Clássica anda pelo lado contrário. “Criada” pelo Paulo Roxo e a Daniela Teixeira, esta linha segue a linha aproximada de duas vias abertas nos anos 70. Na parte inferior do “Grande Pilar da Direita” a via “Passeio de Verão”, aberta pelas cordadas Vasco Pedroso – Paulo Alves e Carlos Teixeira- Mario Cardoso em 22 Agosto 1978. E na parte superior a “Via Verde”, aberta por Vasco Pedroso, Paulo Alves e Ana Reis em 17 Junho 1976.
É uma via longa e sinuosa, onde a leitura do terreno nem sempre é clara. Será precisamente pela necessidade de conhecer bem as passagens que fará demorarmos mais ou menos na via e não tanto a dificuldade em si. .

BARRAGEM STA.LUZIA [sector multilargos]


       

A barragem de Sta Luzia situa-se no centro do de Portugal e sendo a povoação próxima mais importante Pampilhosa da Serra. Como uma grande parte do centro do país chegar a Sta Luzia é um longo percurso através de estradas nacionais. No entanto o local vale a pena. Não falta rocha para escalar e um sinonimo de isso são os numerosos e diversos sectores existentes. Aqui podemos encontrar desde os 20 aos 120 metros de vias de escalada clássica um lanço ou de vários assim como o mesmo em termos de vias desportivas. O local ficou mais conhecido pelas aberturas e divulgação feita pelo Paulo Roxo e companhia por volta ano 2006. Poderiam existir vias antes mas foram as vias abertas na parede da barragem e o encontro do entalados que colocaram o local no mapa.
É também um dos poucos locais em Portugal onde podemos encontrar uma series de vias de multilargos abertas numa única zona. E foi precisamente essa zona que fomos visitar desta vez.

TONEL / GERÊS – todas as vias

Nesta pagina podemos encontrar o resumo geral de todas as vias abertas na fraga do Tonel com as respectivas ligações a cada uma das descrições mais pormenorizadas.

A Fraga do Tonel está situada no Gerês, próximo da povoação do Campo do Gerês, mais propriamente na estrada que liga esta povoação à de Caldas do Gerês. Muito visível desta estrada e com uma aproximação relativamente curta, esta parede estranhamente passou despercebida aos escaladores. Talvez por a estrada estar fora das rotas habituais de passagem ou por parecer muito tombada, a verdade é que a única via conhecida é a que agora tem o nome de “Placas do Adriano”.

Parede sul da Fraga do Tonel

Após uma visita a esta via no ano de 2020 esta parede despertou-me para a abertura de novas linhas. Não sendo uma parede das que cumpre os requisitos da moda de escalada mais em força, com subprumos ou passos atléticos, tem no entanto grandes e interessantes placas de aderência, por vezes cortadas por grandes fissuras, onde prevalece uma escalada mais técnica do que de força, e onde podemos encontrar passos de aderência com todas as inclinações.

Com o apoio do Clube Nacional de Montanhismo – Clube Alpino Português, e a ajuda de vários parceiros de escalada, as linhas abertas foram sendo abertas podendo neste momento encontrar (em Setembro 2023) cinco vias no total de cerca de 630 metros de escalada entre o IVº e o 6b.

Em cada um dos links encontraram a descrição de cada via e os dados necessários para irem curtir a escalada.

Qualquer e duvida não hesitem em contactar e a enviar algum comentário. Boas escaladas!

Informações

Água é necessário levar água pois não existe abastecimento perto das paredes. Dada a orientação da parede ela extremamente quente nos dias mais calorosos pelo que convém salvaguardar essa questão.

Dormida parque campismo no Campo do Gerês ou outros alojamentos nesta localidade

Rocha placas de granito com cristais de quartzo por vezes grandes.